PAAO President’s Message

May 2022

Paulo E.C. Dantas, MD PhD
PAAO President, 2022-2025

Dear Pan-American friends,

This month we begin something new: “Chat with the President”.

I had the opportunity to chat with the president of the Brazilian Council of Ophthalmology, Dr. Cristiano Caixeta.

I hope you enjoy and learn as I did.

Sincerely,

Paulo E.C. Dantas, MD PhD
PAAO President

 

 

PD: Briefly describe your career so far. Nothing in-depth, but feel free to explain what you think is important.

CC: I started my path in ophthalmology when I entered the medical residency at the Department of Ophthalmology at Santa Casa de São Paulo, Brazil, in 1999, where I did my postgraduate studies and continued as a professor of ophthalmology and head of the glaucoma department until the present day. As part of my career in associative movements, I joined the board of the Brazilian Glaucoma Society in 2011 as treasurer, where I remained until 2015, when I assumed the position of treasurer of the Brazilian Council of Ophthalmology from 2015 to 2017. From 2017 to 2019, I served as Secretary-General of the Brazilian Council of Ophthalmology and again treasurer of the Brazilian Glaucoma Society. In 2019 I was elected vice-president of the Brazilian Council of Ophthalmology from 2019 to 2021, being elected 2021 president of the Brazilian Council of Ophthalmology for the 2022-2003 term. In parallel with all associative action, I maintain my private office and coordinate the ophthalmology service of a private hospital network in São Paulo.

Cristiano Caixeta Umbelino Director, Glaucoma Service, Santa Casa of São Paulo, Brazil Elected Member of the Advisory Board, Brazilian Society of Glaucoma Professor, Dept. of Ophthalmology at Santa Casa de São Paulo, Brazil President, Brazilian Council of Ophthalmology Office: Rua Traipu, 505 CEP 04042-002 São Paulo – SP Brazil Phoine: (11) 3661-4953 / 4241-5448 / 98420-3477 email: clinica.caixetavilela@gmail.com  | https://cristianocaixeta.com.br/

We understand that the future does not arrive suddenly. It is built step by step and results from our decisions and actions.

Paulo Dantas and Cristiano Caixeta Umbelino

PD: The CBO is one of the most important societies affiliated with the PAAO, as it represents a large number of ophthalmologists, certainly with multiple demands. Which are the most important, and how does the CBO act to answer them?

CC: Indeed, representing more than 20,000 Brazilian ophthalmologists is something of extreme pride and responsibility. We have several topics to be addressed, but we can mention eight fundamental points:

  • Communication with the population
  • Services to members
  • Relationship with other entities
  • Strategic data analysis
  • Job market
  • Education
  • Continuous education
  • Technology and innovation

The best way to work on all these fronts and more is with the engagement of all colleagues. The CBO receives from each member ophthalmologist the necessary strength to move forward.

We understand that the future does not arrive suddenly. It is built step by step and results from our decisions and actions. Therefore, we need to think exponentially and act incrementally. The changes that appear immediately take time to transform and change the habits of the society, so we follow our strategic planning, continuing and implementing the necessary reformulation and improvement.

We are at the beginning of a profound reshaping of the healthcare sector, involving patients, healthcare professionals, hospitals, and all actors in the ecosystem.

 

PD: As John Lennon would say: ‘Life is something that happens while you make plans for it.’. Indeed, when you assumed the presidency, you planned what to do during your tenure. Could you give us details?

CC:  Undoubtedly, this is another one of John Lennon’s great messages. In an extremely tough and transformative world, being a protagonist is essential. Technology is flooding medicine with new treatments, drugs, and protocols. On the other hand, the business model and dominant paradigm (illness and non-health) remained the same as hundred years ago. We increasingly need to work on health prevention and on proposing new paths. There is a mismatch between the possibilities that digital technologies offer and the health ecosystem’s practices, processes, and business models. With the exponential acceleration of digital technologies, never in the history of medicine have there been such rapid advances in such a short period of time. Every day, we are surprised by innovations that change how we see medicine. The pandemic accelerated the process of change, breaking down resistance, such as to telemedicine. We are at the beginning of a profound reshaping of the healthcare sector, involving patients, healthcare professionals, hospitals, and all actors in the ecosystem. My aim at the head of the CBO is to proactively position our entity, optimizing processes and promoting engagement with all market players through the knowledge of our associates and the global scenario, which will provide the best outcome for everyone.

 

PD: In your view, how important is it for the CBO to be affiliated with the PAAO?

CC: The association with other medical entities linked to ophthalmology is significant for obtaining a more comprehensive view of our profession. With globalization, the ease and speed of disseminating technical knowledge are essential for us to share specific experiences of the scenario in each country. Each country’s legislative characteristics and political scenario are different, and the exchange of information can generate enriching experiences.

I believe in the transformative power of the collective.

 PD: What is your view on the insertion of the CBO and Brazilian ophthalmologists in the Latin American scenario?

CC: Latin American ophthalmology undoubtedly has a very important representation vis-à-vis world ophthalmology. We need more and more to attract multi-centric studies and develop collective works to occupy more and more space. The Brazilian Council of Ophthalmology has been working hard to standardize and disseminate undergraduate and continuing medical education.

 

PD: Final words?

CC: I believe in the transformative power of the collective. What aims at the common good becomes more robust when its construction is based on several looks, heads, and hands. We have found the activities carried out at the Brazilian Council of Ophthalmology: guiding actions by the union of efforts. The work is continuous, and the action needs of our entities are growing. Nevertheless, there is much to be done.

Em português

Paulo E.C. Dantas, MD PhD
PAAO President, 2022-2025

Prezados amigos Pan-Americanos,

Este mês começamos algo novo: “Chat com o Presidente”.

Tive a oportunidade de conversar com o presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Dr. Cristiano Caixeta.

Espero que vocês gostem e aprendam como eu gostei.

Sinceramente,

Paulo E.C. Dantas, MD PhD
Presidente do PAAO 

 

PD: Faça uma breve descrição da sua carreira até aqui. Nada aprofundado; mas, sinta-se à vontade para descrever aquilo que você ache importante. 

CC: Iniciei minha trajetória na oftalmologia ao entrar na residência médica no Departamento de Oftalmologia na Santa Casa de São Paulo em 1999. Onde fiz minha pós-graduação e continuo como professor de oftalmologia e chefe do departamento de glaucoma até os dias atuais. Dentro da carreira nos movimentos associativos entrei na diretoria da Sociedade Brasileira de Glaucoma em 2011 como tesoureiro onde permaneci até 2015, quando assumi o cargo de tesoureiro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia 2015 a 2017. De 2017 a 2019 acumulei os cargos de Secretário Geral do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e novamente tesoureiro da Sociedade Brasileira de Glaucoma, em 2019 fui eleito vice-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia de 2019 a 2021, sendo eleito em 2021 presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia para a gestão 2022-2003. Paralelo a toda ação associativa mantenho meu consultório privado e coordeno o serviço de oftalmologia de uma rede hospitalar privada em São Paulo.

PD:O CBO é uma das mais importantes sociedades afiliadas à PAAO, assim como representa um grande número de oftalmologistas, certamente com demandas múltiplas. Quais as mais importantes e como o CBO atua para respondê-las?

CC:​  Sem dúvida representar os mais de 20 mil oftalmologistas brasileiros é algo de extremo orgulho e de muita responsabilidade. Temos vários temas a serem abordados, mas podemos citar oito pontos fundamentais:

  • Comunicação com a população
  • Serviços aos associados
  • Relacionamento com outras entidades
  • Análise de dados estratégicos
  • Mercado de trabalho
  • Ensino
  • Educação continuada
  • Tecnologia e inovação

A melhor maneira de trabalhar em todas estas frentes e mais algumas é com o engajamento de todos os colegas, o CBO recebe de cada colega oftalmologista a força necessária para seguir em frente.
Entendemos que o futuro não chega de repente. Ele é construído passo a passo é fruto de nossas decisões e ações. Precisamos pensar exponencialmente, e agir de forma incremental. As mudanças que surgem de imediato, levam tempo para transformar e mudar os hábitos da sociedade, por isto seguimos nosso planejamento estratégico dando continuidade e implementando as reformulações e melhorias necessárias.

PD:  Como diria John Lennon: ‘A vida é algo que acontece enquanto você faz planos para ela” Certamente ao assumir a presidência, você planejou o que fazer durante seu mandato. Você poderia nos dar detalhes?

CC:  Sem dúvida esta é mais uma das grandes mensagens de John Lennon, em mundo extremamente acerado e transformador, você ser protagonista é fundamental. A tecnologia está inundando a medicina com novos tratamentos, novas drogas e novos protocolos. Por outro lado, o modelo de negócios e o paradigma dominante (doença e não saúde) continua sendo o mesmo de cem anos atrás. Precisamos cada vez mais trabalhar na prevenção da saúde e na proposição dos novos caminhos. Existe um descompasso entre as possibilidades que as tecnologias digitais oferecem e a prática, nos processos e nos modelos de negócios adotados pelo ecossistema de saúde. Com a aceleração exponencial das tecnologias digitais, nunca houve na história da medicina avanços tão rápidos em tão curto espaço de tempo. A cada dia, nos surpreendemos com inovações que mudam nossa maneira de ver a medicina. A pandemia acelerou o processo de mudanças, quebrando resistências como por exemplo em relação à telemedicina. Estamos no início de um profundo remodelamento do setor da saúde, envolvendo pacientes, profissionais da saúde, hospitais e todos os atores envolvidos no ecossistema. Meu objetivo à frente do CBO é posicionar nossa entidade de forma proativa, otimizando os processos e promovendo o engajamento com todos os players do mercado através do conhecimento de nossos associados e do cenário global o que propiciará o melhor desfecho a todos.

PD: Em sua visão, qual a importância do CBO estar afiliado à PAAO?

CC:  A associação a outras entidades médicas ligadas à oftalmologia é muito importante para conseguirmos uma visão mais abrangente de nossa profissão. Com a globalização, a facilidade e velocidade da difusão do conhecimento técnico é fundamental para compartilharmos experiências particularizadas do cenário em cada país. As caraterísticas legislativas e o cenário político de cada país são diferentes, o intercâmbio de informações podem gerar experiências enriquecedoras.

PD: Qual sua visão sobre a inserção do CBO e dos oftalmologistas brasileiros no cenário latino-americano?

CC:  A oftalmologia latino-americana sem dúvida tem uma representação muito importante diante da oftalmologia mundial. Precisamos cada vez mais atrair estudos multicêntricos, desenvolver trabalhos coletivos para ocuparmos cada vez mais espaço. O Conselho Brasileiro de Oftalmologia vem trabalhando forte na uniformização e na disseminação da educação na graduação e na educação médica continuada.

PD:Palavras finais?

CC:  Acredito no poder transformador do coletivo. Acredito que aquilo que objetiva o bem comum se torna mais forte quando sua construção se baseia em vários olhares, várias cabeças e mãos. É dessa forma que temos alicerçado as atividades conduzidas no Conselho Brasileiro de Oftalmologia: pautando as ações pela união de esforços. O trabalho é contínuo e as necessidades de ação de nossas entidades, crescente. Há muito a ser realizado.